Deixe seu happy hour mais saudável

É possível cuidar da saúde sem dispensar um fim de expediente com os amigos

labfa-happy-corte

Após trabalhar horas a fio, nada é mais justificável que um happy hour para relaxar. O problema é que eles geralmente acontecem em lugares cheios de cerveja, caipirinha e porções de comidas gordurosas como batatas fritas, pasteizinhos e frituras à milanesa. Enquanto a alma relaxa, o organismo acaba pedindo socorro.
Leia Mais

Cuidado com as doenças da tireóide

Alteração na glândula pode trazer riscos à saúde

labfa-tireoide-corte

O nome tireóide vem do grego e significa “escudo”. A glândula ganhou esse nome por causa do seu formato, que também parece uma borboleta. Ela é uma das maiores glândulas endócrinas do corpo e fica na frente da laringe, na região mais baixa do pescoço.

Sua função é importante: ela produz os hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), que regulam a velocidade do funcionamento do organismo. São eles que controlam os processos que acontecem no interior de cada célula, regulando a energia para o metabolismo do nosso corpo.

O excesso desses hormônios altera o metabolismo, deixando-o mais acelerado, com mais calor, com insônia e por vezes com tremores nas mãos, emagrecimento e acelerando muitas vezes o funcionamento intestinal e os batimentos do coração. Chamamos isso de hipertireoidismo.

Já a falta dos hormônios da tireóide, torna nosso metabolismo mais lento, deixando-nos com mais preguiça, indisposição, sonolência, frio, pele seca e facilita o ganho de peso. Pode tornar o funcionamento do intestino mais lento e desacelerar os batimentos do coração. Esse é o hipotireoidismo.

Calcula-se que mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo tenham alguma doença ligada à glândula. As mais comuns são o hipotireoidismo, hipertireoidismo, bócio difuso (aumento de toda a tireoide), bócio nodular (presença de um ou mais nódulos), inflamações, infecções e tumores. “Essas alterações podem ocorrer separadamente ou em conjunto”, afirma nosso médico endocrinologista, Dr. Mauro Scharf. “Por exemplo, é comum que o hipotireoidismo e o hipertireoidismo venham acompanhados de bócio”.

Como é feito o diagnóstico para saber se há algum problema?
Após uma conversa com o médico sobre o histórico do paciente e familiar, mais um simples exame de palpação, são pedidos alguns testes. O endocrinologista frequentemente pede um exame de sangue para analisar o TSH (hormônio da hipófise que controle a tireoide), que pode vir junto com um exame de T3, T4 ou T4 livre. Em alguns casos também é observada a dosagem de anticorpos antitiroidianos.

Se o resultado indicar alguma alteração, normalmente também é feita uma ultrassonografia para saber se não há inflamação ou nódulos. Em nódulos maiores que 1 cm, os médicos fazem a aspiração de algumas células com uma agulha (punção) para afastar a hipótese de câncer.

Tratamento
Nos casos mais simples de hipotireoidismo, o tratamento é realizado com a reposição de hormônio tireoidiano em doses orais. O endocrinologista vai prescrever uma dose diária do medicamento e monitorizar a função da tireóide até atingir a dose ideal para o caso específico da pessoa. No caso de hipertireoidismo, o medicamento vai diminuir a produção do hormônio.

Nos casos em que há nódulo, o paciente fará acompanhamento periódico (ultrassom, ultrassom doppler e/ou punção). E de acordo com as características do nódulo, poderá ser necessário um procedimento cirúrgico para a retirada de toda ou parte da glândula. “A melhor conduta será orientada pelo médico após avaliação personalizada e por vezes, o uso do iodo radioativo pode ser necessário”, explica Dr. Scharf.

A gripe pode ser grave, mas a prevenção é simples

Nova vacina contra gripe chega ao Brasil

gripe-corte

A temporada das gripes já está chegando e muitas pessoas saíram em busca da vacina contra a influenza. Uma nova composição, mais completa, foi criada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e já está disponível no Frischmann.
Leia Mais

Qual suco tem menos calorias?

Ainda que todos sejam aliados das dietas, alguns sucos são menos calóricos que outros

labfa-sucos-corte

Laranja, limão, maracujá, melancia, abacaxi… opção é o que não falta na hora de escolher um suco geladinho e saudável. Se a sua dieta pede contagem de calorias, saiba que todos fazem bem à saúde, mas alguns são menos calóricos do que outros.
Leia Mais

Os benefícios da banana

A fruta ajuda a combater a ansiedade e a depressão

labfa-banana-corte

Quando a ansiedade aparece, é normal atacar a geladeira, especialmente a prateleira dos doces. No entanto, é possível conseguir a sensação de bem-estar com alimentos mais saudáveis – como, por exemplo, a banana.
Leia Mais

Saiba qual é a melhor cadeira para você trabalhar

Independente de marcas e valores, é preciso prestar atenção em alguns detalhes para não prejudicar a sua saúde

labfa_computador_corte

Cada vez mais empregos exigem que o colaboradores fiquem horas e mais horas na frente do computador. Passar tanto tempo sentado, na mesma posição, já não faz bem para o corpo, mas se a cadeira não for a ideal, é certo que a coluna, o pescoço, os ombros e as pernas vão reclamar.
Leia Mais

Acne não é só problema da adolescência, mas tem tratamento

Saiba como surge o problema e o que pode ser feito para eliminá-la

labfa_acne_corte

Quem pensa em acne pensa logo na época do colégio, quando os hormônios em profusão acabam aflorando de maneira desagradável no rosto, nas costas e no peito.
Leia Mais

Alergia alimentar

Cólica, coceira, vermelhidão… às vezes uma comida inocente pode se tornar um pesadelo

labfa_alergia_corte

Quem não conhece alguém que não pode comer amendoim ou castanhas que já fica com o rosto todo inchado, ou então não pode chegar perto de leite ou de frutos do mar que já tem dor de barriga e coceiras?
Leia Mais

Videogames: uma nova opção para a terceira idade

Pesquisas incentivam o uso de jogos eletrônicos pelos avós

labfa-videogame-corte

Nada de tricô ou dominó na praça. Para realmente exercitar o corpo e a mente, a ciência passou a indicar uma nova atividade para os idosos: jogos de videogame. Pesquisadores de várias universidades do mundo fizeram testes com adultos entre 60 e 70 anos e ficaram surpresos com os benefícios dos jogos eletrônicos.

Cumprir missões específicas que requerem estratégia exigiu bastante do cérebro e, de acordo com a Universidade de Toronto, houve uma melhora de 20% na realização de tarefas do dia a dia. Além do aumento cognitivo para fazer multitarefas, a habilidade motora melhorou e a socialização também. A mente esqueceu os problemas da vida, a memória ficou mais potente e o grupo ficou animado quando percebeu que podia passar de fases e avançar com sucesso no jogo.

No entanto, é claro que os idosos não devem largar tudo e passar o dia na frente da tela. O professor da Universidade de Illinois e estudioso do tema, Dr. Arthur F. Kramer, aponta que exercícios, boa alimentação e contato com outras pessoas são imprescindíveis para a saúde.

Suor excessivo tem cura

Incômoda, a hiperidrose pode ser curada ou, pelo menos, minimizada

labfa - suor - corte

Suor excessivo nas mãos, pés, axilas e face. Tão excessivo que chega a pingar. A hiperidrose atinge de 0,6 a 1% da população e, ainda que não seja uma doença, pode causar problemas profissionais, sociais e psicológicos, levando a constrangimentos. Vários fatores explicam o seu surgimento, como doenças da tireoide e emocionais, câncer, menopausa e obesidade. Às vezes nem precisa ter motivo: basta o sistema nervoso enviar estímulos demais às glândulas que produzem suor.
Leia Mais