Equipe médica apresenta 53 trabalhos no maior congresso de Análises Clínicas do mundo

De 28 de julho a 1º de agosto somos o maior representante do Brasil no AACC

aacc-corte

O maior congresso de Análises Clínicas do mundo – AACC (American Association for Clinical Chemistry) acontece até esta quinta-feira (01). O evento anual, que desta vez acontece em Houston, Texas, é o principal meio de apresentar e discutir pesquisas vitais do campo da medicina laboratorial, falar sobre investimentos na área e comentar o mercado internacional de diagnósticos.
Leia Mais

Cuidado na cozinha: 8 alimentos comuns que podem ser perigosos

Batatas, amêndoas e vagens podem apresentar risco e quase ninguém sabe disto

labfa-alimentosperigosos-corte

A ciência avançou bastante quando o assunto é alimentação. Atualmente sabemos muito mais sobre o que faz bem e o que faz mal para a saúde – todo mundo sabe que alimentos integrais são ótimos, enquanto frituras são um perigo.
Leia Mais

Mais da metade da população não tem imunidade contra a hepatite B

Pesquisa do Frischmann reforça a importância da luta contra a doença

labfa-hepatite-corte

O dia 28 de julho foi escolhido como o Dia Mundial de Luta contra Hepatites Virais e a campanha deste ano tem o tema “Isto é Hepatite” e a mensagem “Conheça. Confronte”. Ainda que existam vacinas para os vírus que causam esta doença, estima-se que cerca de 300 milhões de pessoas estão infectadas com hepatite B no mundo. Quanto à hepatite C, são cerca de 170 milhões.
Leia Mais

Frischmann patrocina 8º Congresso Sul Brasileiro de Geriatria e Gerontologia

Médicos do laboratório serão palestrantes no evento que acontece em Curitiba

labfa-congresso-corte

O Frischmann fará parte do 8º Congresso Sul Brasileiro de Geriatria e Gerontologia, evento que acontece a partir de hoje, dia 26, e vai até o dia 28 de julho. Além de ser um dos patrocinadores deste encontro promovido pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, dois médicos do nosso corpo clínico serão palestrantes.
Leia Mais

Ossos do corpo merecem certos cuidados desde cedo

Como cuidar da saúde dos ossos em diferentes etapas da vida adulta

labfa-ossos-corte

As crianças precisam se alimentar bem para crescer com ossos fortes e que aguentem os tombos de bicicleta. Os idosos, principalmente as mulheres, precisam se preocupar com a osteoporose que deixa os ossos frágeis. E os adultos de 20 a 50 anos, deixam o esqueleto no segundo plano? De fato é isto o que acontece, mas não deveria ser assim.
Leia Mais

Não desperdiçar comida é cuidar do Meio Ambiente

A decomposição de alimentos libera gás metano, que é prejudicial à camada de ozônio

labfa-comida-corte

Todas as mães do mundo já usaram o argumento de que desperdiçar comida é feio, já que tanta gente passa fome no mundo. Isto não deixa de ser verdade, mas temos mais um motivo para você prestar atenção no quanto coloca no prato – é uma atitude sustentável que cuida do meio ambiente e da sua saúde.
Leia Mais

Erros que pais cometem ao cuidar da saúde dos filhos

A intenção é sempre a melhor, mas alguns erros são comuns e podem ser evitados

labfa-filhos-corte

Sabemos que cuidar da saúde das crianças não é tão fácil quanto parece: enquanto os pequenos são mais fortes e resistentes a algumas doenças e machucados, são muito mais frágeis em outros casos. A família sempre quer o melhor, mas nem sempre a decisão tomada é a melhor. O site Fox News listou alguns tratamentos errados bem comuns e explicou o que seria o melhor a fazer.
Leia Mais

Livro aponta erros comuns na malhação masculina

Personal trainer revela as falhas do forte desejo de ganhar músculos e perder gordura

labfa-homensacademia-corte

Existe a terrível ditadura da magreza para as mulheres, mas atualmente os homens também estão passando pela ditadura do bíceps e do tanquinho. Os rapazes que decidem entrar na academia geralmente querem músculos definidos o mais rápido possível e não poupam esforços para ter a sonhada silhueta.

O problema não está em querer esse corpo, mas sim nas atitudes desesperadas para alcançar a meta. No fim das contas, a maioria é ineficiente para atingir os objetivos desejados e é aí que entra Michael Matthews, especialista em educação física. Ele é autor do livro Malhar, Secar, Definir – A Ciência da Musculação (Editora Princípio) e explica, entre outras coisas, os maiores erros da malhação masculina. Confira alguns deles:

– Ficar duas horas na academia: o excesso de repetições deixa o corpo esgotado, as fibras musculares são rompidas e organismo não tem condições de se recuperar num nível ideal. O resultado é o inverso do esperado – os músculos começam a encolher e ficam fracos.

– No pain, no gain: a frase preferida dos fanáticos por academia diz que se não há dor, não há ganho. Bobagem. Achar que é preciso sentir dor, sentir os músculos “queimando” em repetições intermináveis não leva a nada. A dor vem do ácido lático sendo acumulado nas fibras musculares e até certo ponto ele funciona – ele de fato desencadeia uma mistura de vários hormônios indutores de crescimento. Em exagero, ele para o crescimento e causa rupturas no tecido muscular.

– Usar apenas máquinas: um corpo perfeito precisa de todos os materiais disponíveis na academia. O truque está em fazer exercícios compostos, que envolvem o uso de múltiplos grupos musculares. Não adianta passar o dia no mesmo aparelho de musculação – use halteres, barras, cabos de tração, faça agachamentos. Não é preciso mudar constantemente as sequências de treinamento, é só procurar exercitar o corpo todo.

– Ficar reclamando: é o oposto do viciado. Se existe a meta de ganhar e definir os músculos, Matthews manda parar de “agir como um bebê chorão”. Pegar pesado na malhação não é divertido, os músculos doem e o corpo fica esgotado mesmo. Faz parte do jogo – quem se esforçar direito e segue as recomendações dos especialistas garante um bom resultado e isto é o que importa.

– Comer errado: além de malhar, é preciso ter uma alimentação adequada. O problema é que muitos homens não sabem exatamente o que fazer e acabam pegando muito pesado na academia e comendo pouco para não “jogar o esforço no lixo”. Resultado: não ingerem calorias, proteínas, carboidratos e gorduras direito. O contrário também acontece, quando a pessoa que acha que a malhação compensa tudo e ataca a geladeira. Quem não come o suficiente não ganha músculos; quem come demais pode até criar massa muscular, mas ela fica escondida debaixo de uma camada de gordura. Dica: conte todas as calorias.

– Quanto mais exercício aeróbico, maior a perda de peso: exercícios aeróbicos fazem muito bem, mas passar dias na bicicleta ergométrica não faz milagre. Com a atividade aeróbica é necessário prestar atenção à alimentação. É cômodo pensar que o exercício dá conta das calorias extras, mas o fato é que, sem o prato certo, é muito provável que você entre na turma que corre todo dia, mas que a balança nunca muda.

– Seguir sempre a última moda: uma simples passada na banca de jornal já abre um mundo todo de opções de dieta. Cada semana que passa surge um truque novo para perder peso e muitas pessoas trocam de método toda hora em busca de resultados rápidos. Não existe dieta milagrosa e cada metabolismo responde de um jeito diferente. Reeduque a sua alimentação comendo de tudo um pouco, foque nos exercícios e garanta tempo para o corpo descansar.

– Trabalhar com pesos leves e muitas repetições tonifica a musculatura: embora ainda exista um debate em torno do melhor volume de repetições para obter o aumento muscular, muitas pesquisas afirmam que fazer mais de 15 repetições resulta em pouca ou nenhuma melhora em termos de força muscular ou de tamanho. É preciso sobrecarregar o músculo para que, na recuperação, ele cresça mais forte. A sobrecarga ideal e a nutrição adequada, mais o repouso suficiente, significam aumento rápido e perceptível da massa muscular.

– Alguns exercícios garantem redução localizada: de acordo com Matthews, fazer só abdominais para eliminar a barriguinha não vale a pena. Você não pode reduzir a gordura em nenhuma parte específica do seu corpo usando exercícios isolados para ela. O fato é que você precisa passar a comer adequadamente e seu corpo decidirá como a gordura será eliminada. Geralmente o rosto e os braços afinam primeiro – a barriga e os quadris são os últimos a colaborar.

Como contornar a obesidade infantil?

O assunto está em destaque e merece atenção

labfa-obesidadeinfantil-corte

Diversos são os agentes causadores da obesidade infantil, doença que afeta 21,7% da população brasileira entre 10 e 19 anos de idade e é caracterizada por aumento da gordura corporal, que pode levar a várias outras patologias e até à morte mais precoce.

Um estudo publicado na revista Archives of Pediatrics & Adolescent Medicine comprova a relação entre genética e peso. Segundo os pesquisadores, crianças com mais fatores de risco nos genes tiveram de 1,6 a 2,4 vezes mais chances de serem obesas na idade adulta, em comparação com crianças com baixo risco genético de obesidade.

Outro dado importante é que indivíduos com maior propensão a diabetes crescem com maior rapidez durante a infância e começam a ganhar peso mais cedo. Mas essa predisposição pode ser evitada com dieta adequada e prática de esportes.

Um artigo publicado na revista Medicine & Science in Sports & Exercise aponta que passar horas sentado em frente a eletrônicos pode propiciar o aumento do peso, prejudicar o coração, os níveis de aptidão do pulmão e também reduzir a capacidade respiratória da criança.

Números e definições
Para descobrir a obesidade em adultos existe uma conta que pode ser feita rapidamente. O peso, em kg, deve ser dividido pelo quadrado da altura, em metros, o que resulta no Índice de Massa Corporal (IMC) da pessoa. Entre 20 e 24,9 indica peso normal; entre 25 e 29,9, sobrepeso; e com 30 ou mais, indica obesidade. Se você não sabe sua IMC, use nossa calculadora (LINK) e descubra.

Para as crianças é necessária a participação de um médico, já que há tabelas específicas que relacionam o ICM com a idade da criança para definir a obesidade.

Como evitar a obesidade infantil
A avaliação médica é sempre o primeiro passo para qualquer tratamento, porém a reeducação alimentar com acompanhamento de um nutricionista, e a prática de exercícios físicos são pilares dessa transformação.

O apoio da família é importante e faz toda diferença no tratamento. Para isso é importante oferecer alimentos naturais para a criança, realizar refeições em horários comuns e mudar a alimentação de toda a família, sempre com o acompanhamento de um médico especializado.

No cinema
No fim de 2012 foi lançado o documentário “Muito Além do Peso”, da cineasta Estela Renner. Em contato com o público infantil durante seu trabalho anterior, o documentário “Criança, a Alma do Negócio”, a diretora observou que as crianças não reconheciam frutas, mas sabiam todas as marcas de salgadinhos e refrigerantes disponíveis no mercado. A intenção do filme é abrir um debate sobre esse problema que atinge uma parcela tão grande da população e buscar uma solução para a epidemia.

Painel Genômico de nutrição e resposta a exercício: para cada organismo uma resposta

Encontre respostas únicas para as perguntas mais comuns a partir da sua avaliação genética

dasa-painelgenomico-corte

A maioria da população quer conquistar uma vida saudável, ter mais energia, melhorar o desempenho físico, perder peso, obter o máximo beneficio de uma atividade física ou otimizar o equilíbrio nutricional de uma dieta.
Leia Mais